Últimas Imagens

quarta-feira, 22 de agosto de 2018

III SÃO PEDRO LAMBRETEIRO

Julho abriu com um encontro diferente dos padrões dos clubes em geral, o São Pedro Lambreteiro, realizado pelo grupo Motonetas Clássicas Campinas e Região anualmente na cidade que leva o nome do santo. E mais uma vez estivemos lá, curtindo a viagem e a companhia geral. Abaixo uma breve narrativa.


Domingo de frio e Anhanguera nublada, estávamos em quatro Vespas a caminho do posto de combustível indicado pela organização, na Bandeirantes, entre Campinas e Paulínia. Os meliantes da SP presentes no evento foram Diogo Reis, Koré, Fidelis, Rafael Piera, nós de Vespa, mais o Reginaldo e a Rose de carro. Vinte motonetas se reuniu por lá, e num comboio de tocada forte seguimos até Águas de São Pedro, quando a viagem se torna passeio. Cruzamos Piracicaba, com uma breve parada para combustível e tocamos para São Pedro, ao lado de membros do Vespa Clube Sorocaba, São Roque Vespa Clube, Vespas na Estrada, e dos organizadores Motonetas Clássicas Campinas. Na cidade nos demoramos por uma hora na praça central da igreja matriz, onde acontecia um evento popular com música caipira, muita comida e muita gente feliz da região que aos domingos visita a cidade do padroeiro. Houve algum furo de pneu, alguma regulagem a mais em moto, mas nada que não fosse resolvido no ato.


Por volta das 13h tocamos, em comboios separados, até o Morro da Asadelta, por uma tortuosa estrada de terra e pedra de quatro quilômetros, de onde em seu fim se vê um imenso campado verde e ao longe as cidades de São Pedro e Piracicaba, cidade que fez parte do trajeto da viagem. Nas alturas rolou um divertido piquenique, com leitoa, doces, comidas de casa, algumas latas geladas e um frio de sol maravilhoso. O terreno fica à beira de um penhasco e pertence à uma escola de asadelta, tendo suas principais atividades aos finais de semana, como foi, enquanto estávamos por lá. 












Por volta das 16h armamos acampamento e iniciamos a volta da SP pra casa, com Animal Taylor e sua namorada no grupo da volta. E foi uma volta excelente, no ritmo que tem que ser, a 90km/h até o tanque secar. Piera seguiu para Itatiba enquanto a gente chegava em casa pelas 21h com as baterias mentais renovadas. Pouca coisa é tão libertadora quanto passar um dia na estrada, sozinho ou acompanhado. Não só pelo isolamento, como também pelo vento, que como um sopro nos limpa por dentro. E é isso, com dois meses de atraso e muitos esquecimentos fica aqui um ligeiro registro desse glorioso momento. Obrigado aos envolvidos. 


Texto e imagens por Fidelis.

3 comentários:

yanmaneee disse...

canada goose
retro jordans
lebron 18
stone island sale
bape hoodie
goyard
pandora outlet
moncler
kyrie shoes
curry 6

diceauseys disse...

my site high replica bags useful site Chrome-Hearts Dolabuy helpful hints i loved this

thesoosm disse...

go to this site u9p60l8f12 gucci replica replica bags high quality o7g66x7u28 replica bags forum fake gucci h2q66c9p13 replica bags india replica bags in delhi hermes replica n9k27r0g97 replica bags in uk