Últimas Imagens

sábado, 31 de março de 2018

IX ENCONTRO NACIONAL - DIVINÓPOLIS / MG - (PARTE 2 DE 3)

O IX Encontro Nacional de motonetas clássicas aconteceu em Divinópolis (MG) na liderança do Vespa Clube Divinópolis, e foi um êxito em diversos sentidos: na amistosidade, na participação, na viagem, no cardápio, nos roteiros e atividades paralelas. Um evento marcante para nós, que fomos até lá em 11 clássicas, superando a marca dos 1300 kms de rodagem em cinco dias. Conforme lembrança deixarei um breve registro abaixo.


Às 16h chegou o Pastorelli e o Assef em duas Super's setentistas, depois de dois dias de viagem em ritmo turístico. Kelly Miranda chegou com a Lambretta LI rebocada por Cid e esposa mais cedo. E a maior parte do nosso grupo, como narrado no post anterior, chegava na concentração do evento no final de tarde, com as capas de chuva ainda umedecidas. E aqui mora o platô dos encontros nacionais: o encontro em si. De imediato já via o pessoal dos Lambreteiros Tapejara (RS) e do Vale dos Sinos Scooter Club (RS), que foram rodando em Lambrettas dos anos 50 e 60 de casa à Minas: Rafael Dalagasperina, Danilo Lauxen, Barcelos Jobb e Clair Melo. Com eles os gaúchos dos Herdeiros do Passado: Stello e Cleberto, vestidos no uniforme italiano do clube de Santa Maria, que foram de avião e descolaram uma motoneta por lá. Também alguns amigos dos Motonetas Clássicas Campinas, como o Leo Freitas e o Tatu Albertini, do Vespa Club Sorocaba foi o Vander Durante, do São Roque Vespa Clube foi o Ed Purga com esposa, o Jorge e patroa do Confraria Vespa Motor Clube (RS), e outros tantos scooteristas independentes do Brasil, como a Mary Kelly, o Lucas David e mais um pessoal de São José do Rio Preto e do Circuito das Águas, a turma do Vesparaná com o Ito, Keiji, Coca, Luis, etc, o paraguaio Jorge Colman e sua esposa Débora representando em Sprint Veloce o lado paraguaio sobrevivente dos Scooteristas Marginales, o argentino Pedro Fernandez que veio rodando numa Siambretta Li 1963 diretamente de Santos Lugares, próximo da capital argentina, etc. E claro, os primeiros sendo os últimos pois merecem uma linha em caráter de assinatura: os cicerones do VC Divinópolis são Wesley Xavier e Junaia (presidente e primeira-dama), Leonardo, Lúcia, Mauro, José Alves, Pedro, Machado e Salsicha, Charles, Libério, Ronaldo, Toin Galinha e Marcos. Me foge da memória tantos nomes e motos, e foram pelo menos de 70 unidades delas.


No domingo, dia principal do encontro, nos reunimos na praça do Coreto às 10h para comprimentos gerais e briefing, e partimos para o grande passeio, começando pelo Teatro Municipal Usina Gravatá, construído em 1932 para ser (e foi) a primeira Usina de Álcool Motor de Mandioca da América Latina, da capa dessa postagem. De lá tocamos para o Museu de Automóveis de Carmo da Mata, sessenta kms distante. Ficamos por uma hora e meia na praça da cidadela, tempo de visitação do museu, conversas e caminhadas. As construções dali eram como que centenárias, um cenário de filme de época, preservando aspectos da arquitetura, do convívio e da cultura local. Por lá a PX do Koré deu um bom trabalho para funcionar. Era a vela, como detectou Reginaldo Silva. Trocamos a tocamos à parte com o Zé Alves como guia, o lambreteiro que tem fama de melhor mecânico do mundo na região, e que nos levou até o Pesque e Pague Estação, na pequenina Marilândia. Em clima de festa o almoço à mineira estava maravilhoso, as crews e clubes em suas mesas falavam alto e comiam bem. (Eu e mais alguns já tínhamos dado aquela ideia no pé do ouvido do Stello no café da manhã, e então...) Dada hora Pedro Fernandez e Tatu Albertini puxaram o coro pela eleição da nova cidade-sede do Encontro Nacional de 2019. Haviam duas possibilidades fortes, mas venceu aquela que há muito tempo sonhamos: Santa Maria (RS), pelas mãos dos Herdeiros do Passado. Aí foi aquela festa com o Stello e Cleberto. Que momento!



Pelas 16h partimos para Divinópolis em pelo menos 30 motonetas. No caminho rolou duas pane secas, uma pane elétrica e um pistão dilatado, além de prováveis multas de velocidades - a do Paulo De Vito já chegou. Em questão de uma hora já estávamos na praça da concentração para a prometida reportagem da TV Globo, que no fim não rolou, dispersando a população. À noite retornamos à praça, e o clima por lá era maravilhoso. Fazia calor, estávamos entre muitos amigos, e tudo conspirava à favor. No rock o som da banda Frenesi, e do DJ Voodoo Fraga e sua Kombi do Vinil. A festa foi até umas 23h30, então de repente já não via a Scooteria. Estávamos em maioria no bar da Claudete, um pico de pegada underground que funciona na casa da dona, com público alternativo, cachaças locais e sistema de som à nossa disposição. Ficamos por lá também na presença do Tatu, Leonardo Melco, Ito 8 e Lucas David. Noite que até hoje rende risadarias intermináveis lá em casa. Findamos uma caminhada pelas ruas de baixo, onde encontramos um empório de cervejas especiais e afins, para meu delírio. Comprei alguma coisa e fomos para o hotel descansar para a próxima etapa.



Na manhã de segunda-feira já se notava a ressaca e o cansaço na expressão de alguns. Metade dos viajantes se preparavam para o longo trajeto de volta, outros já tinham tomado a estrada. Partiram nessa manhã o Vesparaná rumo à Curitiba, e os Vale dos Sinos com os Lambreteiros Tapejara para diferentes partes do Rio Grande do Sul. Na concentração na praça Wesley passou todas as instruções sobre o novo desafio do evento: uma estrada de terra que nos levaria a um restaurante rancheiro, onde estava sendo preparado um espetáculo de almoço. Deixamos o perímetro urbano em 30 motonetas aproximadamente, passando antes pela famosa Maria Fumaça, a locomotiva 340, construída na década de 40 durante a Segunda Guerra Mundial. Uma hora depois pisávamos em terra firme, no sentido literal. Wesley e Junaia e equipe VCD nos guiava com maestria pela cidade, acompanhando o tempo dos semáforos e veículos, e considerando o caminho quase deserto que tomaríamos, trataram de orientar a todos sobre a necessidade do tanque cheio. Passamos então pelo distrito de Ermida, onde uma grande usina siderúrgica operava com as caldeiras em chamas. Um baita calor fazia naquela hora, e todo mundo disputava cada centímetro de sombra enquanto esperava pelo restante do comboio que chegava. Dali tocamos por mais vinte minutos na terra até o restaurante Quiosque Cascavéu, ou o famoso restaurante do Mauro. Vale registrar que neste caminho o escapamento da Super 150 do Pastorelli soltou (depois de romper uma solda) e por muito pouco isso não o levou ao chão. Alguém guardou o escape no porta-malas de um carro - acho que foi o Leo Freitas - e então Pastor seguiu conosco com barulhento até o fim da jornada, para mais tarde, de volta à cidade, soldar a peça com a ajuda de alguém de cidade (que ainda não identificamos o nome). No restaurante o clima era dos melhores: comida da boa, cachaça, brejas baratas e bem geladas. Passamos umas três horas por lá proseando e prestando breves homenagens ao som de muita risadaria, pássaros e talheres batendo. Por volta das 15h30 encerrávamos as atividades e voltaríamos para o asfalto. Chegando na Praça do Coreto ainda rolou aquela cerejinha do bolo: a gincana da "Corrida Lenta" encerraria com maestria a programação do IX Encontro Nacional. Os desafiantes se inscreviam espontaneamente e o objetivo era percorrer 100 metros em linha reta na menor velocidade possível sem pisar no chão, visando chegar lá depois do seu oponente. Aqui o que menos importava era ganhar alguma coisa, todo mundo estava nessa sorrindo até as últimas pelo sequência de acontecimentos deliciosos. Participaram da gincana o pessoal do Divinópolis Vespa Clube, Scooteria Paulista, Motoneta Clássicas Campinas e São Roque Vespa Clube. Ao final o primeiro lugar ficou com a lambreteira paulistana Kelly Miranda, trazendo o caneco pra SP, e contagiando a praça com sua alegria. E eis que a coisa toda chega ao fim. Às 21h ligamos as motos e partimos em grupo, a SP toda, de volta ao hotel, com a estratégia da volta alinhada em roda pública sem delongas. A partida se deu em grande estilo, com nove motonetas emparelhadas no pique da Corrida Lenta.





E assim encerrava para nós o IX Encontro Nacional, dessa vez em Divinópolis, cidade onde tudo é bom: a comida, as pessoas e as motos. A gente agradece a esse povo maravilhoso por toda a força de vontade e carinho. Não é fácil organizar um encontro, muito menos um Nacional. Muito porque a gente lida com expectativas diversas, culturas, hábitos e senso de cena muito distintos, que encontros regionais não apresentam. A responsabilidade é outra.  Em 2019 o Nacional será em Santa Maria (RS). Estejam preparados para viver dias intensos e bastante quentes nas terras geladas do Rio Grande do Sul. A Scooteria Paulista parabeniza ao Wesley, Junaia e todo o Vespa Clube Divinópolis por suas capacidades e empenho. A gente amou estar aí, e vocês não sabem o quanto.




Relato e algumas fotos por Fidelis

2 comentários:

Yaro Gabriel disse...

www0714


air max 90
pandora
nba jerseys
indianapolis colts jerseys
supra shoes
mulberry bags
ferragamo outlet
futbol baratas
off white
karen millen dresses







Delicia disse...

Delicia sexo usar a internet todos e cada vibrador e dildo, plug anal, em 1 formato presente que é incorporado no pacote, bem como baterias e você poderia a verdade simples é encontrá-lo… ..