Últimas Imagens

sexta-feira, 19 de setembro de 2014

BOGOTÁ SCOOTERFEST 2014

Entre uma conversa e outra no meio de uma noite fria na capital colombiana, me cai uma ficha e a lanço para o grupo nos fundos de um bar qualquer: "que tal se a gente fizesse um Scooterfest nesse fim de semana?" Os olhos de Maryzabel brilharam, e John Gonzales sorriu para Jonatan Alape. Em vinte minutos planificamos o projeto que teria apenas 6 dias para acontecer. E aconteceu...

BOGOTÁ SCOOTERFEST - A noite nas alturas da cidade

Enquanto eu, Marcio Fidelis, saia em viagem com Juan Montoya rumo ao norte, a equipe tão logo daria vida ao primeiro evento de natureza scooterboy no país - falamos de uma cultura scooterista e musical inglesa que teve seu apogeu nos anos 80. Seis clubes e uma frente ideológica se uniram aí: Vespa Club Bogotá, Vespañeeee Club, Escuteristas Bogotá, Moonstomp Riders, Mottoretos Bogotá DC, Scooteria Paulista, e a corrente Mi Corazón Late en 2T. Fecharam com uma casa de shows ali na Chapineros mesmo, ergueram todo o equipamento para os DJ's, a arte gráfica com Kamilo Bernal, os apoios, os adesivos, os cartazes impressos, enfim tudo, e não era pouco. De longe tratei da divulgação e convocatórias, e também com parte das despesas, pagas em Almanaques Motorino's.


As 15h do domingo começava a festa. Tarde de sol preguiçoso e movimento pacato na Carrera 13. Em duas horas o fervo se estabelecia, e cerca de 50 motonetas já teriam dados as caras. A novidade à brasileira trazia um ar inglês aos (oriundos da cidade de Bogotá) cachacos: motonetas customizadas, sapatos lustrados e música alta. Dos ritmos jamaicanos ao Detroit sessentista, Duvan Henao, Camilo Bermúdez, Abuelo Cristian e Danny Mateus, tocavam raridades e "vulgaridades" no salão. Bermúdez, eu, e Juan Montoya vendíamos materiais, de roupas à cartões postais. Maryzabel em momento oportuno sorteou brindes e introduziu ao microfone o conceito da festa. E que festa!!! Jonatan Alape cuidava da portaria na maior parte do tempo. A todo minuto um selfie aconteciam nas quinas do salão, de onde se via pelas frestas mais uma Bajaj Plus 150 chegando, seguida por alguma PX ou Sprint Veloce. Os Moonstompers, constituídos de Skinheads, Rudes e Mods recobravam o espírito scooterboy e seus scooterfests com passos e danças invocadas do tempo dos bolachinhas de 45'. E a festa já teria valido a pena até aqui... mas teve mais.



Ao cair da noite a coleção de capacetes nos cantos era tão extensa que se poderia gastar dois ou três minutos procurando o seu. Nesse interim alguém puxou a ideia de um passeio noturno, e lá fomos nós. Quase quarenta motonetas desceram a calle 52 e tomaram as ruas do Centro de Bogotá. O comboio hora se dividia nos semáforos, hora se acotovelava. E pela primeira vez na história a Praça Choro Quevedo, marco do nascimento da cidade, foi invadida por um enxame jamais visto pelos nativos e notívagos da região. As casas bicentenárias, as ruas vazias e as luzes amarelas refletindo nos acessórios cromados assopravam poesia ao final do evento. De uma forma espontânea tudo aconteceu.


E foi um encontro e tanto, histórico, especial. Para mim, pela oportunidade de ter co-produzido algo internacional com tamanha aceitação e respeito, interpretado por todos como um "legado" ("y mucho gracias a ti que integraste diferentes parches; hay gente trabajando hombro a hombro que ni conocía", escreveu Maryzabel); e para a cena cachaca, que expressiva em identidade e estética, tem em seus principais agentes um invejável potencial de realizar, do zero, coisas tão grandiosas e simbólicas que em poucos lugares da América já se viu. A sensação que fica é a de que semana que vem teremos outro, e depois outro, e outro. Só que não. Ainda.

Fidelis, Maryzabel e Bovver
Relato por Marcio Fidelis
Fotos por Dra.Cereza

3 comentários:

Anônimo disse...

Cuando las cosas se hacen con pasión solo conocen buenos resultados, a ti gracias infinitas porque este sentimiento se inmortaliza con cada kilometro que recorremos!
Maryzabel Cárdenas Ávila

Revdenis disse...

Muito louco mano, parabens!
Bogotá é uma cidade pra lá de especial...deve ter sido cabulosíssimo.

Anônimo disse...

Que show. Queria estar aí com los hermanos também.

PJ LAMMY