Últimas Imagens

quinta-feira, 28 de agosto de 2014

FÉRIAS NO VELHO CONTINENTE

Durante o mês de julho o casal mais dois-tempista da SP, os paulistanos Daniel Turiani e Gisele Leiva, tomaram o avião para a Europa, aonde passariam as férias em tour pela Itália,  Portugal (e Espanha). E por lá também se divertiram (heheheheh), como conta Daniel:


Essa história já começou quando a outra terminou. Quem se lembra da ultima vez a nossa viagem para a Austria e o passeio pelo Alpes? Desde lá, o sonho de retornar para Europa e conhecer outros lugares em vespa se tornou o objetivo principal de todos nossos esforços ($$). Sendo assim, traçamos rotas, conciliamos sonhos com realidade e vocês verão o resultado disso em um breve relato dos cinco dias de aventuras sobre duas pequenas rodas.

Lisboa 15/07/14 – Aprox. 150km em 8h

Procuramos muito uma Vespa para alugar, mas não foi possível. Logo, brotam opções para alugar LML’s 125cc 4 Tempos automáticas, mas a proximidade com o cafofo (quarto alugado) foi que nos levou até a Lisbon Scooter. A motoneta não estava tão bem cuidada como esperávamos, com alguns problemas de alinhamento e no cavalete, mas já estava paga e não tinha outra opção, então topamos.


Saímos de Lisboa, passando por todo litoral em cidades como Belém, Estoril e Cascais, visitando Sintra, uma olhadinha no palácio em Queluz e retornando ainda no final do dia para devolver a motoneta. Difícil ser breve e passar as sensações do passeio. Posso dizer que Portugal é muito mais lindo do que eu esperava. As praias rochosas é uma paisagem que nunca havia visto. O vento forte e úmido cruzando a pista e lambendo o morro cheio de pasto é uma imagem inesquecível. Sem falar também do passeio por Sintra, dentro de uma reserva de mata em uma estrada que só passa um carro por vez. Por lá, meio que de repente, você se depara com um palacete Português, com seus azulejinhos azuis e arquitetura rebuscada.
Posso dizer que me senti em casa e que este país deixou saudades. A praia foi novidade, mas o passeio no geral lembra bem em algumas partes o nosso tradicional Raduno. Mato, calor, brisa do mar e uma sensação de verão eterno.


Florença / Pisa - 22/07/14 (Toscana das oliveiras) aprox. 230Km em 11h

Após alguns contatos pela internet, fizemos a reserva de uma Vespa 125 S numa das melhores locadora de moto, a Stradanova. Após um bate papo e troca de alguns adesivos e cartões da Scooteria Paulista, fizemos amizade com o proprietário que nos indicou as melhores estradas para passear. Lógico que eu havia estudado muito o caminho antes, mas isso me deu a certeza de que faria um belo passeio. Ele ficou admirado e nos tratou muito bem, pois a rota era ambiciosa e era incomum as pessoas fazerem aquilo numa 125cc. Visita na Piaggio em Pontedera, torre antiga em Caprona, a famosa torre de Pisa, a cidade antiga de Luca e outras pequenas e pitorescas cidades como Montecatini Terme, Vinci e Vitolini, foram as escolhidas da vez.
O objetivo deste dia foi cumprido com excelência, mas tive que apertar o passo em algumas cidades, deixando de curtir “o momento” em alguns casos. Nas auto-estradas italianas não é permitido rodar com motos abaixo de 125cc, restando somente as perimetrais e ruas das cidades, com todas suas restrições de circulação e velocidade.
Posso dizer que o caminho até Pisa não tem nada de emocionante a não ser por alguns quilômetros entre as arvores da cidade de Caprona. O museu da Piaggio tem todas as vespas que sonhamos, incluindo os 2 ou 3 protótipos testados, modelos de corrida, modelos que viajaram o mundo como a vespa do Sean Jordan (com o adesivo Scooterboys!), Vespacars e até um aviãozinho Piaggio. Mas pra ser sincero, acho que a magia está mais no que ela representa do que propriamente nos “objetos” e isso acabou me deixando com uma expectativa maior do que deveria. O ponto alto da visita foi conhecer 2 casais Austríacos que estavam viajando de vespa pela Itália. Pessoal bem bacana, que adorou receber os adesivos e em troca já adesivaram suas vespas. Quem sabe não é uma janela para uma próxima viagem?!
Pisa era o ponto médio da rota e após uma horinha de visita no belo parque onde está a torre (e é bonita demais), seguimos para Luca e as outras pequenas cidades. O passo daí pra frente foi apertado e em algumas horas acelerei a 125 S à 90km/h, chorando (a vespa e eu).
Nesta parte da viagem, tudo que o caminho anterior não tinha de encanto, este tinha de sobra. Viajamos por horas em pequenas cidades e principalmente por montes cheios de oliveiras, em um zigue zague que todo motociclista sonha. O tempo era bom e colaborou com o cenário, o qual o sol brincava de se esconder hora entre as nuvens, hora entre os montes e casinhas antigas. Por volta das 21:00 estávamos de volta em Florença, bem cansados mas já pensando no dia seguinte.

Florença / Montepulciano (Toscana dos Vinhos) aprox. 300km em 12h

É, não foi bem assim...O plano era rodar pela Toscana, passando por várias cidades e pequenas estradas até chegar em Montepulciano e retornar por outros caminhos até Florença. Porém a ambição foi grande demais e só consegui chegar até Montalcino, à 50km do planejado.


Esta viagem foi incrível de ponta a ponta. Já na saída de Florença, passamos pela piazza Michelangelo com vista para toda a cidade e na sequência já entramos nas pequenas estradas beirando os parreirais. Passamos beirando todo vale de Chianti, numa estrada levemente sinuosa, num clima bem gostoso, parecido com nossa primavera. Após 2 horas de viagem já chegamos em San Giminiano, uma cidade medieval fantástica. Passeamos a pé e depois seguimos para a cidade vizinha Cole Val di Elsa. Esta lembrava muito aquela primeira viagem que fizemos partindo de Roma, há dois anos. Ruas estreitas e casas muito antigas, com um velinho sentado na porta e uma senhora estendendo roupa. Padrão italiano de melancolia.
Pouco depois desta pitoresca cidade, vimos um castelo com suas altas muralhas em Monteriggione. Como tempo estava fechando e ameaçando uma baita chuva de verão, resolvemos seguir em frente direto para Siena. Chegando lá, deixamos a vespa longe do centro antigo devido às restrições de circulação e fomos conhecer a antiga e importante cidade dos tempos romanos. Deste ponto pra frente, as paisagens das plantações de girassóis se tornavam comum e se mesclavam com belos pastos formando a típica paisagem toscana.
A chuva ameaçou, mas quando ela desabou, já estávamos bem pra frente de Siena seguindo para a famosa cidade de Montalcino, conhecida por seus vinhos de classe mundial. Lá entramos de vespa e estacionamos do lado do castelo da cidade, desfrutando da vista panorâmica da região. Infelizmente não pude degustar (beber em termos chic) os vinhos, pois beber, dirigir e ser deportado não estava em meus planos. Um “gelato artigianale” bacanudo fez a vez e deu combustível para o corpo seguir para Montepulciano. Porém no meio da estrada, começamos a temer pelo horário e decidimos voltar para Siena e então pegar uma estrada diferente até Florença.
Tomamos a rota do vale Chianti, dessa vez passando entre os montes nas cidades de Abbadia, Lecchi, Gaiole, Strada in Chianti e finalmente Impruneta. Já era noite e sofremos um pouco para achar uma pequena passagem que nos levaria de volta para estrada perimetral de Florença. Viva o Gps! Na mesma noite, demos a sorte de encontrar com o cara que nos alugou a vespa e pudemos já fazer a devolução da pequena.

Bolzano / Passo Stelvio 26/07/14 – aprox. 200km em 6h

O Norte da Itália é o lugar mais difícil de alugar vespa e com muito sofrimento conseguimos uma ET4 125cc que uma pessoa alugava pra festas. Estava em péssimo estado, mas era o que tinha pra janta. A manhã estava com uma cara feia, mas não achei que choveria. Andamos poucos quilômetros e o mundo desabou. Como nossa viagem foi um mochilão, não tínhamos roupa de chuva ou coisa do tipo, somente uma capa de chuva bem fininha para andar na rua. Vesti a capa e passei alguns elásticos para prendê-la melhor ao corpo, mas mesmo assim ficamos encharcados.
O Passo Stelvio fica na divisa com a Suíça e é uma das estradas mais desejadas pelos motociclistas tanto pela sua sinuosidade quanto pela incrível paisagem. Toda a região tinha a cara de Áustria e construções tipicamente alemãs.
Rodamos uns 100km até o início do “Passo”, mas como a chuva e o frio de menos de 10° castigavam demais, resolvemos abortar a missão por segurança e falta de ânimo. O curioso do dia foi todos motociclistas muito bem paramentados olhando estranhamente para este casal, de roupas de passeio, capa de chuva de turista, elásticos, e uma mirrada vespa 125cc tentando seguir o caminho de Ducati’s e Bmw’s monstruosas. Retornamos muito tristes e rezando para o tempo melhorar no dia seguinte.

Bolzano / Cortina d’Ampezzo – 27/07/14 – aprox. 300km em 10h

Amanheceu, peguei a vespona, botei a jaqueta e fui viajar. Sim! O tempo havia melhorado, não era um sol, mas com certeza não teríamos chuva por algumas horas.


Saímos bem cedinho do hotel em direção as mais lindas estradas do norte italiano, onde as placas estão escritas em Italiano e Alemão (e às vezes em tcheco ou algo parecido também!). Destino final, Cortina d’Ampezzo, o lugar onde a italianada vai esquinar no inverno. O cenário era basicamente floresta, mas chegando bem próximo à Selva di Val Gardena, vimos o porquê todos os motociclistas e aventureiros vão para lá. A floresta se fundia com imensas montanhas rochosas, bem irregulares, meio que algo de marte. Um contraste que me fez parar por muitas vezes a vespa na beira da estrada e ficar lá só olhando.
Os “Passos”, estrada que atravessam estas montanhas são realmente incríveis e íngremes, mas o visual do topo de cada um, à aproximadamente 2mil metros de altura, é indescritível. Estivemos no Passo di Val Gardena, Passo Falzarego, Cortina d’Ampezzo, Passo di Giau (um dos mais difíceis devido à seqüência de curvas e inclinação), Passo Pordoi, Passo Sella e finalmente a estrada passando por Castelrutto até retornarmos. No meio do passeio o tempo fechou novamente e nos deram um banho bem pesado, porém não mais de uma hora. Para mim, este contra tempo não tirou o brilho do dia, muito menos deixei de acreditar ter sido o ponto alto da viagem em Vespa deste ano. Um lugar que tentarei retornar para refazer todos os caminhos e testar novas rotas.

Espero que todos tenham gostado dos relatos. Estou preparando um álbum de fotos para que todos possam olhar e sentir um pouco desses lugares incríveis que passei. Acredito cada vez mais que a Vespa, e talvez somente ela, tem o poder de mudar vidas e unir desconhecidos. Sou grato por nunca ter desistido da minha!

Relato por Daniel Turiani

Um comentário:

Fotografia disse...

Parabéns sensacional relato