Últimas Imagens

domingo, 30 de dezembro de 2012

Expedição Tropeira Brasil-Paraguay (Parte 1 de 2)

Estava tudo planejado desde o mês de outubro: quatro vespistas de Jacareí (SP), integrantes da Scooteria Paulista, partiriam na metade de dezembro com destino à capital do Paraguay: Assunção. Dobraram a produção, compraram peças, economizaram cada moeda e planejaram a coisa toda. Um deles foi convocado no trabalho, e abortou missão. Ficaram três, e assim se sucedeu a grande saga do ano: a Expedição Tropeira Brasil-Paraguay:


Por Walter Vespaparazzi e Eder Luis

O início
Domingo, 16 de Dezembro de 2012. Bem cedo, às 8h da manhã, eu, Walter Vespaparazzi (Vespão), o Eder meu parceiro conhecido da Scooteria, e o primo Clodoaldo Gonzales, chegamos no Frango Assado da Rodovia Carvalho Pinto, em Jacareí. O dia amanheceu com chuva, mas a gente estava determinado e preparado pra tudo, ou quase tudo. Dali a pouco vieram nos saudar os vespistas de São José dos Campos, também antigos da Scooteria: Carlos Guerreiro, Maurício Casotti, e Bleiner, o mais novo na turma do Juke Box. Também o motociclista Bicudo, Claudir etc. Ficamos por lá até as 10h da manhã, quando passamos o rádio pra Sede do grupo, em São Paulo: “Fidelis, estamos saindo”. Uma hora depois já estávamos no local combinado, na Marginal Tietê. Fidelis nos guiou até o Anel Viário, no início da Rod.Castelo Branco. Lá nos despedimos do presidente, e dali em diante tocamos o barco pro Paraguay. Rodamos direto uns 70 quilômetros, e logo depois do primeiro pedágio, paramos para garantir gasolina. Adiante, na cidade de Miracatu fizemos mais uma parada para abastecimento na Regis. A viagem estava tranquila apesar dos grandes caminhões estarem na mesma pista que a gente. Tocamos adiante até Registro, aonde pegamos o acesso para o município de Pariquera-Açú, aonde eu fiz questão de apresentar aos meus companheiros um lanche chamado Buraco Quente. O dia passava rápido na Rodovia Regis Bittencourt, e quando a gente viu já era quase 18h, e o pior de tudo: chovia. Nesse momento a Vespa do Clodoaldo começou a falhar, pois estava entrando água do CDI. Paramos, tiramos a capa de proteção, assopramos e seguimos viagem na chuva mesmo. Ficávamos na média de 80km/h. Logo depois veio outra cidade: Cajati. Abastecemos no último posto que tinha até a Serra do Azeite, e seguimos, já de noite. Entendemos que a viagem estava perigosa na região serrana, então próximo do pedágio, paramos na base de apoio da concessionária da Régis, a Autopista, e pedimos o seguinte auxílio: que nos liberassem um pedaço do gramado da base pra gente armar as nossas barracas para um descanso. Estávamos cansados e tensos naquela noite chuvosa... Mesmo assim eles nos negaram ajuda. Aí a gente seguiu do jeito que dava, até a metade da Serra do Azeite, mais perto da divisa de SP com o Paraná, e lá a gente se deparou com os dois lados da pista congestionados devido a acidentes. Encontramos um Posto Ipiranga 24h e de lá o Clodoaldo passou o rádio pro Fidelis às 22h30 para comunicar ao grupo e ao Vesparaná Club – que nos aguardava em Curitiba – que não havia mais condições de viajar, e que acamparíamos ali bem perto da divisa dos Estados. Fidelis depois disse que avisou ao Coca e ao Ito, que se prontificaram, ainda assim, a nos ajudar se precisássemos. Tomamos um banho quente por lá, mas sem lanche ou janta, pois a loja de conveniências estava fechada. Tínhamos feito 400 quilômetros nesse dia. As passagens do dia nas fotos abaixo:


Uma Missão, Uma Tormenta e Uma baixa
Segunda-feira, dia 17 de Dezembro de 2012: uma baixa. Às 6h da manhã seguimos viagem com destino à Fazenda Rio Grande (PR) para entregarmos o troféu SP EM 2T da Scooteria Paulista para a Naza Moto Peças, a oficina que ajudou o Fidelis um ano antes durante a sua viagem em Vespa para a Argentina – o troféu que eles não vieram buscar e São José dos Campos, no evento de Maio. A viagem até lá foi tranquila, e nessa manhã fizemos 150 kms de giro e um reparo (troquei o cabo da embreagem). Cruzamos a divisa dos Estados e nem nos demos conta, quando fomos ver já estávamos no Paraná, lugar que nenhum de nós tínhamos ido de Vespa ainda. E essa cidade, Fazenda Rio Grande, fica logo depois de Curitiba, uns 25 ou kms depois. Saímos de depois do meio-dia. Passamos por Curitiba e ao pegarmos o Anel Viário um acidente marcou a nossa Expedição. Foi assim: eu, Walter, estava na dianteira, o Clodoaldo logo em seguida de mim, e na retaguarada o Eder. Foi então que passou pela gente um caminhão basculante, e eu vi quando o pneu dianteiro do caminhão passou por alguma coisa que saiu rodando e que espetou o tanque do próprio caminhão, e no mesmo momento o caminhão começou a jorrar óleo diesel no asfalto. O Clodoaldo e eu fomos encostando as Vespas, mas infelizmente Eder não pôde fazer o mesmo. Quando vimos, ele já estava escorregando no chão feito um sabão. E mais motociclistas caíram na sequência. Assim que ele sofreu a queda fomos ao socorro dele, tiramos a sua Vespa de cima do asfalto e demos um tempo no acostamento. Constatamos que o Eder estava bem, com uma leve escoriação no cotovelo, na cocha, e uma pequena luxação no ombro dire ito. Aqui escrevendo esse diário de bordo, Eder disse: “fiquei decepcionado, frustrado porque a viagem poderia ter chegado ao fim ali, quando vi o Walter e o Clodoaldo levantando a minha Vespa quebrada. Sentei e chorei na beira da pista. Pensava que não teria mais Vespa para viajar, que o meu sonho havia acabado ali”. Naquele momento comuniquei – eu Walter - ao Fidelis pelo Rádio Nextel sobre o que havia acontecido a poucos instantes, e em seguida Fidelis retornava dizendo que a turma do Vesparaná Club veria o que podiam fazer pela gente. O prejuízo na Vespa foi: o farol (redondo), um retrovisor e o painel da Vespa quebrados, e vários ralados na lataria. Procuramos um farol redondo ali pela região, um farol de moto mesmo, pois já era a adaptação que o Eder tinha feito na Vespa dele. Encontramos um da XL, e ali mesmo no acostamento o Eder foi montando o farol. A tampa do painel amarrou com fita isolante para prender a tampa que segura o farol. Quando estávamos prontos para partir o Fidelis me ligou dizendo que o Coca e o Jack estavam em frente à Eletrolux, conforme a coordenada que eu passei. Só que havia outros departamentos da Eletrolux em Curitiba, e a gente estava no depósito, e não na fábrica. Resultado: levaria meia hora para eles chegarem até a gente. O Ito ofereceu a Sede deles, e outros integrantes, as suas casas, mas não queria incomodá-los porque era dia de semana e já tínhamos incomodado eles no dia anterior, fazendo-os esperar pela gente, que não chegou. Era 17h e a gente seguiu viagem. Porém fomos dando conta de que o psicológico da gente estava abalado, principalmente o do Clodoaldo e o do Eder, que tinha se acidentado horas antes. Então rodamos mais 25 quilômetros somente, pela BR-277 até chegarmos numa cidade chamada Campo Largo (PR). Lá compramos umas linguiças com contra-filé, refrigerantes, e fomos pra estrada fazer um churrasco de chão. Ali enquanto a gente tentava relaxar no por do sol paranaense, começamos uma conversa que não foi bem conduzida por nenhum de nós. Começamos o assunto combinando como reagiríamos com a polícia durante a viagem, e acabamos por falar do ritmo de viagem de cada um. Eu queria ir mais rápido, os dois, mais devagar. Mas aquele era um momento delicado para falarmos disso, e não deu outra: o Clodoaldo e eu discutimos feio, e o Clodoaldo resolveu abortar a missão, e nada o fez mudar de idéia, nem mesmo quando fui depois até ele e pedi descupas por ter falado com ele de uma forma que ele não gostou. Juntamos as coisas e fomos para a Pensão da Oliva. Eder ainda ficou em dúvida se continuaria ou não a viagem, por saber que o Clodoaldo era muito novo no pilot, pensou em voltar com ele pra Jacareí. A gente foi dormir bem chateado. Fizemos nesse dia uns 200 quilômetros. As passagens do dia nas fotos abaixo:


Tropeiros Encontram os Índios
Terça-feira, dia 18 de Dezembro de 2012. Logo cedo, ao saber que o Clodoaldo havia conseguido um caminhão para transportar a Vespa de volta pro Vale do Paraíba, e que o parceiro estaria seguro, Eder decidiu então manter a palavra de tropeiro e seguir viagem ao lado do seu velho parceiro Vespaparazzi. A gente ainda tentou convencer o Clodoaldo a continuar a viagem conosco, mas para ele o assunto já estava encerrado. Então às 8h da manhã a gente partiu. A estrada era calma, bem pavimentada, e estreita. Quanto mais avançávamos, mais subidas a gente enfrentava. A cada 80 quilômetros a gente fazia uma parada rápida para esticar as canelas e completar o tanque, e nessas, nem almoçamos. Coisa de 10 minutos. Queríamos ser rápidos para ganharmos mais tempo na luz do sol. E assim foi a viagem, sem novidades, na média dos 75km/h ou 80km/h. Passamos por uma grande reserva indígena, e vimos mulheres e crianças das aldeias vendendo adornos na beira das pistas. Viajamos um pouco de noite também, e quando era 20h30 entramos no município de Guaraniaçu. Ali encontramos um bom hotel pra relaxar. Deixamos as Vespas na cocheira e saímos a pé pela cidade para fazermos um lanche e telefonarmos pras nossas casas. Depois foi banho e cama. Fizemos nesse dia 400 quilômetros de viagem pelo Paraná, de leste à oeste. As passagens do dia nas fotos abaixo:


Carta-Verde
Quarta-feira, dia 19 de Dezembro de 2012, foi quando chegamos na fronteira. Era 7h30 quando saímos pra estrada com destino à Foz do Iguaçú. Pelo caminho havia muitos caminhões, e em vários momentos tivemos que sair para o acostamento devido ao intenso trânsito deles em alta velocidade. Apesar disso viagem foi tranquila, calma, com paradas a cada 80 quilômetros. Em nossa chegada, no Anel Viário de Foz do Iguaçú, fomos abordados por um motociclista-guia, o Gilmar, que nos ofereceu hotel e apoio. Pedimos a ele um auxilio para retirarmos a nossa Carta Verde. Ele nos levou para um despachante da fronteira da Argentina, que com um esquema diferente, nos cobrou 50 reais de cada Vespa para a nossa permanência por 5 dias no território Paraguaio. Dali a gente foi fazer uma fumacinha no começo da Argentina, coisa de 1 km pra dentro. Depois retornamos pra Foz, e demos entrada num hotel. Um medo bateu na gente. Algumas pessoas da região disseram que era muito perigoso pilotar pela Ruta 7, a estrada que vai dali até Assunção, a capital paraguaia. Falaram de assaltos, contrabandos e assassinatos. Então às 18h30 liguei pro Fidelis na Sede, em São Paulo, que entraria em contato com o Vespa Club Paraguay e outros aventureiros para colher o máximo de informações possíveis sobre essa estrada. Às 22h então o Eder ligou novamente pra Sede, e o Fidelis contou mais tarde pra gente: “escrevi para alguns integrantes do Vespa Club Paraguay e também pedi auxílio publicamente no Facebook da Scooteria. No primeiro caso, não tivemos resposta em tempo, no segundo as dicas foram as que contei pro Eder, e que não ajudariam muito a despreocupá-los. Então passei dois telefones ao Eder, o do Diego Lopez (do clube local e que mora em Assunção) e o do Jorge Colman (do clube e que mora em Ciudad del Este). Pedi ao Eder que antes de tomarem qualquer decisão, pela manhã ligasse para ambos”. A gente foi dormir então pensando na possibilidade de subirmos pro Mato Grosso do Sul direto até Pedro Juan Caballero (PY), e pronto, nada mais que isso. Nesse dia havíamos rodado 240 quilômetros e conseguido as nossas Cartas Verdes.


Rodando pelo Paraguay
Quinta-feira, 20 de Dezembro de 2012, foi quando entramos no Paraguay. Logo cedo ligamos para o Gilmar, o nosso guia, para que ele nos levasse para a Anvisa, o órgão que cuidados assuntos de saúde pública. A gente precisava trocar a carteira de vacinação nacional pela internacional. Deu tudo certo e foi muito rápido. Então seguimos a sugestão do Fidelis e ligamos para Jorge Colman, que às 9h30 da manhã foi ao nosso encontro na Aduana Paraguaya. Ele foi muito prestativo, atravessou conosco a fronteira e foi com a gente pela Rota 7 por 60 quilômetros, até se assegurar de que havíamos passado o trecho mais crítico em termos de fiscalização, a fama ali era da ‘rigidez’ policial. Nesse trecho foi tudo tranquilo. O que achamos de estranho na Rodovia era que ela não tinha uma ordem. Encontramos caminhões pesados trafegando pela contra-mão do acostamento, motocicletas com três ou quatro pessoas e crianças, também no acostamento, na contra-mão, e todos sem capacetes. Ficamos tensos por lá, pois eles tinham um código estranho ao nosso de se organizarem no trânsito. O lado bom foi que a pavimentação era boa, lisa, com buracos mais no acostamento, ainda assim muitos deles feitos para evitar o tráfego de carros. A pista era estreita, mão ia, mão voltava. Paramos num restaurante na beira da rodovia, e soubemos que proprietário era um brasileiro, mas que não estava lá. A comida era boa e a gente precisava disso: arroz, bife à milanesa e muita salada. Pagamos 15 mil guaranis por prato, o equivalente a 7 reais. Abastecemos logo adiante e seguimos viagem. Por volta das 16h fomos parados numa blitz policial. E agora? Lembrei que o nosso amigos jacareiense Sabino nos disse dias antes: “quando um policial paraguaio te parar, não dê espaço pra ele te intimidar, vá e comece você a falar com ele”. Aí eu fui! Tirei o capacete, a máscara e perguntei o que se passava. O policial disse que o problema era a minha bala-crava com desenho de caveira: “no puede, és proibido acá”. Então eu fui “multado”, ele me disse: “hey, un cafezito, 10 mil guaranis. Dei a ele, e então liguei o som da Vespa, dancei e tirei fotos deles. Fizemos eles segurarem os banners dos nossos patrocinadores, e o Eder lembra que eles diziam: “no, eso no, esto es publicidade”. Foi divertido, e a gente seguiu viagem sem problemas. Faltando uns 150 kms para chegarmos em Assunção, o cabo do acelerador da minha Vespa quebrou. Tentamos trocar pelos métodos normais mas constatamos dificuldades, e vimos que haveria a necessidade de trocar o conduíte por onde se passa o cabo. Desmontei a suspensão dianteira da Vespa enquanto o Eder saiu com a sua à procura de alguma bicicletaria para comprar o tal conduíte, artefato que lá se chama de “forro de cable”. Eder pagou 5 mil guaranis e o trouxe, mas não serviu. Então eu fiz um quebra-galho amarrando o cabo do acelerador na minha bota e assim acelerar com o pé direito. Aí como já estava escurecendo, o Eder pagou para um frentista ligar para o Diego Lopez e avisá-lo de que iríamos pernoitar em Coronel Oviedo, e que no dia seguinte continuaríamos a viagem.  Rodamos alguns quarteirões até um hotel, e ali decidimos encerrar o expediente porque já era quase 21h. Saímos para um lanche, e nos confundimos com o fuso-horário: havia uma diferença de uma hora (de adianto). A parte isso não achamos nenhum local para jantarmos ou lancharmos, então voltamos pro hotel e dormimos com fome. Um dado importante: é que após as 18h não há, nos estabelecimentos próximos à rodovia, nem lan-house, nem posto telefônico, nem restaurantes e afins. Tudo fecha após as 18h. E em todos os postos de combustível, havia pelo menos um frentista armado com uma Calibre 12. Isso transmitia uma tensão que a gente não conhecia.


Vespa Club Paraguay
Sexta-feira, dia 21 de Dezembro de 2012, foi quando conhecemos o Vespa Club Paraguay. Acordamos às 5h da manhã e seguimos pra rodovia. Rodamos uns 50 kms até uma parada para abastecimento e desjejum. Estranhamos o café local, que era mais parecido com um nosso chá misturado com leite. Comemos um pão ligeiro e seguimos. Fazia sol e ventava muito de lado. Quando notamos que estávamos a somente 50 kms de Assunção, abastecemos e pagamos para um frentista ligar para o Diego Lopez. Diego pediu para que a gente esperasse por ele numa universidade próxima de um Shopping. Seguimos viagem, e já perto de Assunção encontramos com um vespeiro que veio ao nosso encontro, o Gustavo Mendieta. Ele nos levou até o posto de combustível aonde o Diego nos esperava.
Rapidamente conversamos, fizemos fotos e seguimos para a residência do Diego, aonde funciona a sua oficina de restauração de Vespas: a Naranja Hay Scooters. Notamos que a 50 metros de distância havia também uma oficina mecânica de motonetas. Na Naranja Hay Scooters providenciamos a substituição de todos os cabos e capas (cables i forros) da Vespa. Nesse meio tempo os amigos do Vespa Club Paraguay fizeram um rachão e saíram. Chegaram com lanches, empanados de queijo, de carne, de frango, bisnagas e refrigerantes. Diego trouxe com ele o aventureiro colombiano Brandon Quintero com sua parceira espanhola. Esse cara está viajando a América do Sul com sua Vespa PX200, e vai passar pelo Brasil. Passamos a tarde fazendo os reparos na minha Vespa, enquanto o Eder afiava o seu espanhol. Com a Vespa pronta Diego nos levou até um hotel, que cobrava 70 mil guaranis por pessoa. Tomamos um banho e enquanto descansávamos aguardamos o retorno do amigo cicerone, que nos levaria para um passeio na cidade. Às 20h ele passou por lá. Fomos à uma pizzaria, aonde nos encontramos com grande parte do Vespa Club Paraguay e com o colombiano vespista novamente. Aliás, pizza era muito boa, e o Eder lembrou que a massa era fininha, coisa fina. Lá recebemos lembranças: bottons, adesivos, patches, souvenires, e uma calorosa salva de palmas do grupo. Às 22h30 saímos com a turma para um giro pela capital do Paraguay, aonde paramos em monumentos e bares para unas birras. Após a meia-noite eles nos deixaram no hotel, e por lá também um integrante do grupo deles, o nosso parceiro Jorge Colman.


Mais tarde Diego Lopez escreveu para o Fidelis: "Me enviaste el más loco del mundo, carajo". E repassou a ficha corrida: "paparazzi da un besito pra mi, paparazzi causa susto a dueña de hotel, paparazzi asusta a policia, paparazzi simula atentado contra un transporte de pasajeros, paparazzi se equivoca de casa y entra en otro patio, paparazzi da beso a colombiano, paparazzi quiere coger a novia de colombiano..."

2 comentários:

Scooteria Paulista disse...

Todos as fotos pela câmera e/ou mãos do Walter Vespaparazzi, exceto a foto 18 feita pelo Alejandro Morel.

Anônimo disse...

SANTO DEUS QUE HISTÓRIA DE LOUCOS!!! MAS E AÍ, ELES ESTÃO NO PARAGUAY OU ESTÃO VOLTANDO??? QUANDO VOCÊS VÃO DIVULGAR A OUTRA PARTE?? ESTOU NA EXPECTATIVA. PARABÉNS TROPEIROS JACAREIENSES

PJ LAMMY