Últimas Imagens

sábado, 9 de junho de 2012

Três Aventureiros e a Scooteria

Notícias sobre aventureiros que largam tudo pra trás e partem para algum lugar longínquo na Terra do Nunca são recorrentes. Mas numa scooter clássica nem tanto. Agora, uma história como essas é daquelas raras e lendárias, e aconteceu com eles. Os personagens são os visitantes internacionais: Juan Montoya no seu projeto sul-americano, Ilario Lavarra e seu projeto América de cabo a rabo, e Sean Jordan e sua ousada volta pelo planeta. Nós, a Scooteria Paulista, nós fomos coadjuvantes, testemunhas, ou personagens de passagem desse enredo em 2 Tempos. Num período de seis meses recebemos em nossas casas (em meses diferentes) os aventureiros de três países: Colômbia, Itália, Sérvia (nascido no Canadá). Eles saíram em Vespa de lugares distintos do planeta, tiveram seus dias conosco, e um dia se encontrariam na Colômbia.



JUAN MONTOYA – Projeto: Sur Sueño Vespa

Juan Montoya na Colômbia
Naqueles meses da fundação da Scooteria Paulista aqui, o colombiano Juan Motoya saía lá de Medellin com sua Vespa PX150 rumo a uma aventura pela América do Sul. Seu projeto foi batizado de Sur Sueño Vespa. Tomei conhecimento dela navegando pela internet e quando Juan estava no Equador convidei-o a participar do Curitiba em Vespa 2010, o encontro nacional de motonetas, e ele disse “sim”. Passaram-se os meses, até que no final de agosto recebo sua mensagem dizendo que estava deixando Buenos Aires a caminho de Curitiba. À distância procurei monitorá-lo, indicando rotas, pesquisando por alojamento, difundindo a sua aventura, para finalmente conhecê-lo no evento no Paraná. Na metade de setembro então ele subiu para São Paulo, e foi quando o trouxe para a Scooterboys, aonde ele se sentiu em casa. Juan passou um mês por aqui, curtiu o festival SWU, voltou, bebeu todas, quase nunca tomou banho, tomou chuva na terra da garoa, tirou racha na Radial Leste, foi bastante auxiliado pelo China, e deixou nossas terras quando só lhe restava três semanas de “permisso turístico” no Brasil. Então ele partiu às pressas, visitando nesse tempo o Confraria Rio Vespa Clube, e cortando o Brasil pelo meio até a Amazônia - lá conheceu um casal de amigos nossos - de onde tomou o barco até a Venezuela. Juan chegou bem na Colômbia, depois de quase 11 meses de giro, e escreveu-nos contando do seu sucesso, cansaço, impressões e declarações de amizade. Da Scooteria ele conheceu os seguintes meliantes: Fidelis, Uitamar, seu Artur, Emerson, Marmirolli, Lovercy, China, Much, Lincoln, Andreas, Isbú, Rogê, e talvez mais alguém que agora tenha me fugido à mente. O colombiano continua suas atividades culturais ligadas ao rock’n’roll em Medellin, é fã número 1 do Rage Against The Machine e membro do Vespa Club Medellin.

Uitamar,Tiago,Fabio,China,Andreas,Juan,Fidelis em S.Paulo

Juan Montoya em Iquique, Chile


ILÁRIO LAVARRA – Projeto: Vespanda

Ilario e "La Vespa Corazzata" no Grand Canyon, Arizona, EUA
Logo após a partida de Juan, o italiano milanês Ilário Lavarra pela internet se apresentou e disse que estava no México realizando uma viagem pelo continente americano, e que gostaria de conhecer a Scooteria Paulista. Ilario viajava com GPS e celular, e apesar de ser de outro continente aparentava ter bastante experiência em viagens desse porte, e não por menos: já havia percorrido em Vespa quase toda a Europa. Aconselhei que visitasse Paraty na descida do nordeste e que de lá fosse para São José dos Campos, aonde eu vivia e trabalhava. No dia 3 de janeiro de 2011 nos encontramos enfim, na Rod.Presidente Dutra, eu com minha Originale 150 e ele com sua Vespa Sprint de 1970 - motor de PX adaptado - e uma pilha de mochilas e engenhocas fundamentais para uma viagem de 82.000 kms do Alasca à Patagônia - descida pelo Atlântico, e subida pelo Pacífico. Passamos uma tarde na zona sul da cidade, na companhia do Paulo, (mecânico que consertava a Lambretta LI) do Danilo Lauxen, integrante do Confraria Vespa Motor Clube (RS), e que voltava rodando de Copacabana (RJ). Nessa tarde realizamos um giro na garoa, almoçamos e batemos um papo até as 17h, quando Ilario tomou o caminho para Registro (SP), aonde pernoitaria. Dentre os assuntos mais gerais falei pra ele do Juan Montoya, que havia chegado em casa a apenas duas semanas. Eles manteriam contato depois disso, como escreveu Juan mais abaixo. Ilário que é vespista radical (e defende exclusivamente a Vespa como se fosse seu A.C.Milan) estranhou que os brasileiros chamam a Vespa de "lambreta". Danilo e eu explicamos a ele que foi o apelido que as scooters receberam no Brasil na época, que o brasileiro tirou um "T" e fez da marca um apelido...
Todavia recentemente Ilario me escreveu dizendo do seu orgulho em ter feito essa viagem com o badge da Lambreneuza que lhe dei rebitado na sua Vespa (da edição brasileira da Lambretta LI feita em homenagem ao time titular do Brasil na final da Copa de 1958). Ilario é apaixonado por futebol, torce para o Milan e é membro do Tigelle Meccaniche Scooter Club (Modena, IT). Abaixo um vídeo dele de Vespa na Estrada da Morte, na Bolívia:


Fidelis, Danilo, Paulo e Ilario em S.José dos Campos

Leia sobre o dia de Ilario Lavarra conosco, clique AQUI


SEAN JORDAN – Projeto: Vespa 360

"Hamburglar" embarcando na Malásia rumo ao Brasil
No mesmo momento o canadense Sean Jordan dava uma voltinha pelo mundo, que começara na metade de 2010 e iria até o final de 2011. Depois de viajar por 21 países, do leste europeu e da ásia, ele entrou em contato conosco (quando saía da Malásia), indicado pelo italiano Ilario. Sean saíra da Sérvia (aonde vivia), e seu objetivo de visitar 40 países de 4 continentes incluía o Brasil. Na ocasião pediu apoio pra Scooteria, então entramos em ação. A princípio avaliamos os valores das peças que pedira para reparos em sua PX200 alemã,  indicando também o Leo e o CRVC para recebê-lo no Rio de Janeiro, aonde sua Vespa desembarcaria. Semanas depois deixei meu emprego em São José para encontrá-lo em São Sebastião, litoral norte de SP, e dali em diante ele viveu oito dias de Scooteria Paulista, o último deles sendo o aniversário de 1 ano da SP. No primeiro dia rodamos pela costa até Santos aonde nos reunimos com o Lucca, Mario e Gustavo. Então subimos a Rod.Anchieta e vivemos dias e noites de diversão com a tropa da SP. Em todos os dias ele fora amparado por algum de nós, afim de preveni-lo dos afamados riscos que os gringos potencialmente sofrem no Brasil - e que o gringo já havia sofrido no RJ. Em São Paulo pernoitou na Scooterboys e no apartamento do Afonso, consertou sua Vespa na Free Willy, e rodou pelos quatro cantos da cidade conosco, conhecendo a outra parte do Grupo: China, Much, Isbú, Oliver, Rogê, Koré, Adriano, Afonso, Luciana, Braga, Carol, Reginaldo/Rose, Pretinho, Picelli, M.Canto e Edu Tiburtino. Nisso o Ilario Lavarra já estava no Chile. Então Sean seguiu viagem rumo ao sul, aonde se encontraria com o Curitiba Scooter Club (atual Vesparaná Clube) e com o CVMC em Dois Irmãos, que também ajudaram o canadense em reparos e dicas para a viagem. Durante esses dias que estivera conosco em SP, me tornei o tradutor dos assuntos gerais - o detalhe é que meu inglês é terrível, sem concordância e procuro por sinônimos, gestos e ajuda alheia para definir um patamar de comunicação. E todos nos entendemos muito bem, sobretudo quando o assunto foi Vespa e cultura geral, com muita cerveja e cigarros, do jeito que esse gringo gosta. Na ocasião entendi que Sean não era membro oficial de nenhum clube na Sérvia, todavia sua bandeira local é a do Vespa Club Beograd. Sua viagem consumiria cerca de 80 mil dólares seus, porém naquele momento ela inspirava seu pai John Jordan a comprar e pilotar uma PX meses depois ao seu lado (de Ontario, no Canadá, até Nova Iorque, aonde tomaria o vôo de volta pra Europa). Sean voltou a viver na Sérvia, de onde considera escrever um livro sobre esse projeto solo. A chegada da sua "Vespa Hamburglar" - apelido - até o Museu foi tão aguardada quanto divulgada pela própria Piaggio, assista no vídeo abaixo. (Detalhe para a presença dos brasileiros de RJ, SC e RS nos agradecimentos do vídeo, e lá estamos nessa rota: Marcio Fidelis, ao Mr. China of São Paulo, Scooteria Paulista e Scooterboys São Paulo, Rosito (SC), Fabio e CVMC, Leo Dueñas e CRVC, Curitiba SC etc)...


Fidelis, Sean e Gustavo em...

Leia sobre os dias de Sean Jordan conosco em:


OS TRÊS SE ENCONTRAM EM MEDELLIN

Então vem o apogeu dessa história "on the road". Em agosto eles se encontraram na Colômbia, aonde foram recebidos pelo Juan Montoya. Três beatniks em Vespa, exploradores de rotas, scooteristas peso-pesado, eles se encontraram em Medellin, e por lá tiveram seus dias de convivência. Na foto abaixo estão no centro de Medellin. Daria as unhas da mão pra ter batido essa foto abaixo. Depois disso o canadense e o italiano continuariam a viagem juntos até a América Central, aonde se separariam pois Ilario Lavarra iria para Cuba e Sean seguiria para o Canadá. E aqui para nós essa sincronia é tão mágica quanto (deve ter sido) o encontro entre os Beatles com o Bob Dylan. Ou o primeiro encontro da Liga da Justiça, com o Aquaman, Superman, Flash...

Ilario, Juan e Sean em Medellin (COL)
Justo el dia que llegue a Curitiba a bordo de mi vespa, atendiendo la invitación de Marcio Fidelis, comenzaba el encuentro de vespistas Curitiba em Vespa. Aquí hablando con Marcio me conto de Ilario, un italiano que se esta recorriendo las tres Américas a bordo de una Vespa. Desde ese momento me interese por saber mas del viaje que estaba realizando Ilario. Quando mi viaje finaliza y estoy en mi casa, me entere que Ilario llegaba a Colombia y le escribí invitándolo a que pasara unos días en mi casa y así compartir historias de nuestros viajes. Asi fue que me encontré con Ilario, después de un par de semanas decidí acompañar a Ilario a Bogota en donde nos recibieron muy bien la gente de Vespa Club Bogota y Scooter Bogota. Regresamos a mi casa y me entere que Sean Jordan estaba llegando a Medellín, y le escribí para que nos viéramos en esos días . Y estaba Ilario en Medellín haciendo unos arreglos a el motor de su moto. Y esa noche nos encontramos los tres en el centro de Medellín, fuimos a a comer un plato típico y después fuimos a un bar a tomar unas cervezas. Y hablamos de la cantidad de kilómetros vividos a bordo de nuestras vespas. Esta fue una verdadera noche scooter, con amigos, cervezas, historias y muy buena energía de viajeros!!!” (Juan Montoya, Vespa Club Medellin – Colômbia)”.

Ilario e Sean rodando juntos em Santa Fé de Antioquia, Colômbia

E escrevo sobre eles também para noticiar ao leitor desse blog que uma dessas Vespas são hoje parte do acervo do Museu da Piaggio, em Pontedera (IT), e lá está em exposição permanente: a PX200 2002 de Sean Jordan, da foto abaixo. Mas vejam outro fato curioso. Depois de passar o Reveillon em casa (Sérvia), Sean se encarregou de levar pessoalmente, e em solo, sua Vespa para o Museu, mas não sem antes no caminho entre a Belgrado (Sérvia) e Pontedera (IT) visitar o clube do Ilario Lavarra na Itália, a turma do Tigelle Meccaniche Scooter Club. De fato 2011 foi um ano especial para o scooterismo sul-americano, daqueles que a gente guarda como momentos clássicos, como o Senna na John Player Special.

O tempo passa mas essas memórias ficarão na história eterna dessas aventuras das quais tivemos o privilégio de sermos testemunhas oculares. Eles fizeram parte dos nossos 2 Anos em 2 Tempos, e nós, de um pedacinho de suas infinitas rotas.

Sean e sua Vespa "Hamburglar" no Museu Piaggio (IT)

Outros gringos estiveram conosco por aqui nesse período de dois anos e pouco, mas sem Vespa, e foram eles: Lucho Testa (Red de Vespistas Argentinos – AR), Maurício “Bigú” (Vespa Club Trieste - IT), Fernando Santiago (Strangebrew Scooter Crew – EUA), Katrine Wallace (The Mayday Scooter Club – EUA), John Meagher (EUA). E outros estão a caminho, rodando em Vespa, como o escoteiro (isso mesmo) colombiano John Silva, que nesse momento está em Córdoba (ARG), e outro conterrâneo que nesse momento está em Quito (EQU), o Brandon Quintero. E são pessoas como nós que continuamos a por à prova que a Vespa pode te levar pra Lua ou pra Plutão, que o “vesperanto” é uma língua universal, e que não existem fronteiras para um sonho. Se a atitude scooterista tem expandido e se fortalecido pelo mundo, é porque os proprietários dessas motonetas voltaram ou estão indo pras pistas, se unindo, se respeitando, e sobretudo porque alguns desafiaram suas sombras e tiraram suas motonetas dos cavaletes, acompanhados ou sozinhos. E sobre viajar sozinho, uma certeza que eu tenho é que dentro de nós vive-se de tudo: da meditação à revolução. Então “sejamos realistas, exijamos o impossível”!!

Marcio Fidelis

5 comentários:

Anônimo disse...

foi na época da vinda do servio que eu conheci a scooteria. já faz mais de um ano.

PJ Lammy

Gustavo disse...

Maior orgulho fazer parte dessa história!

Fotografia disse...

Orgulho total de ser desse grupo SP

Felipe (Pino) disse...

Bravíssimo!!!!!!

Anônimo disse...

Tudo isso que vc escreve tem que virar um livro!!!

D. Cassano