Últimas Imagens

quarta-feira, 30 de maio de 2012

SP EM 2T - Parte 1 (Frentes da Baixada e Circuito das Frutas)

O SP em 2T (Scooteria Paulista: 2 Anos em 2 Tempos) é o dia da festa. No ano passado aconteceu em São Paulo, dessa vez foi em São José dos Campos.


Essa foi a segunda cidade em que a Scooteria aconteceu, e por esse motivos a contemplamos. Foi um encontro digno de memória e registro. Scooteristas de 12 cidades compareceram, de São Paulo, Santo André, São Bernardo do Campo, Santos, Taboão da Serra, Limeira, Pedreira, Campinas, Americana e Atibaia, e claro, os cicerones de São José dos Campos e de Jacareí. E foi assim...

Por volta das 6h, no Circuito das Frutas, André e Gilberto Valadão se preparavam para encontrar o restante do grupo na Rodovia Dom Pedro I. Em Atibaia Leonardo se preparava para encarar sua primeira viagem rodando. Rolou assim, Flavio conta: "Marcamos as 7:00 na Rod Dom Pedro I, Cheguei no local do encontro e sequencia pontual como sempre o Tatu, mais uns segundos o Marmirolli , uns minutos mais tarde o Andre e mais uns minutinhos o Gilberto. Tudo pronto saímos torcendo o cabo pela D.Pedro , Marmirolli atrás com sua Strada dando cobertura e maior atenção aos homens 2T , fomos massageados um bom tempo pela densa neblina e pelo frio, chegando em Atibaia encontramos o Leonardo com sua Lambra placa preta, aí sim !!!! Puxamos o ritmo e a Lambretta do Leonardo fez bonito. Chegando em SJ.Campos a Vespa do Giba furou o pneu, eu e o Tatu demos uma aula de como trocar o pneu à ele já que foi o seu primeiro furo, tudo pronto e voltando à Dutra...passamos o ponto de encontro marcado com o Guerreiro, pegamos uma rua direto e acertamos a praça de primeira”. Era por volta das 11h30 quando chegaram então: Flavio Barbie, Leonardo, André Hornhardt, Gilberto Valadão e Tatu pilotando, escoltados pelo Marmirolli, que trazia sua LI no utilitário".

A turma de Santos junto com parte do grupo da capital/ABC chegaria na sequência. E conta o Gustavo Delacorte

“Nos antecipamos e nos encontramos às 6h30 em uma padaria antes de sairmos, eu (Gustavo), acompanhado da Karla, que fez sua estreia de viagem em Vespa, o Luca e o Mário. De lá, partimos rumo à balsa que liga Santos ao Guarujá, passando em frente ao Deck do Pescador, onde seria o ponto de encontro oficial, para depois seguirmos pela Rio-Santos até a Mogi-Bertioga. Como era cedo, quase não haviam carros na pista e tudo estava muito tranquilo. O céu limpo e o sol tornavam a viagem ainda mais agradável logo de começo. 


Na Mogi-Bertioga, nós congelamos, literalmente. Em um trecho em especial, quando o mato ficava maior os cantos da pista, a temperatura baixou drásticamente e o frio chegou a ser de bater os dentes, e assim foi por cerca de um ou dois quilômetros. Conforme o mato foi se tornando mais baixo em relação a nossa altura na pista, o bafo quente da temperatura fora do "frigorífico" veio com tudo, embaçando nossos espelhos, viseiras, óculos e painel.


Chegando no planalto, tratamos de abastecer e seguir nosso passeio rumo a São José dos Campos, onde encontramos um grupo de vespistas que vinham de São Paulo e arredores. Seguimos todos juntos, e na sequência houveram alguns sustos. Primeiro, o pneu de um caminhão estourou bem na frente do comboio, deixando todos em alerta para não acertar o enorme pedaço de borracha que se soltou. Alguns quilômetros adiante, depois de um momento de indecisão na confusão generalizada que os cones que dividem as faixas antes do pedágio causam, acabei dando um toque na Vespa do Mário. Felizmente, os danos foram mínimos: arranhões fáceis de serem removidos e uma luxação no dedo indicador, que foi mordido pelo manete na hora do toque. Mas não chegamos nem a parar por conta disso e seguimos a viagem. Infelizmente, a parte mais desagradável da viagem seguiria logo depois, quando uma das Vespas foi parada pela polícia e ginchada por falta de lincenciamento.

Depois, seguimos em diante, abastecemos e, finalmente, chegamos em São José dos Campos, onde encontramos com o resto do pessoal que já havia chegado antes de nós. Depois de cumprimentar todos, ficamos por ali conversando e depois partimos para a Adega Soberana. O que seguiu a partir daquele momento foi simplesmente fantástico, um mix de alegria e deslumbre com tanta gente contente de estar ali, em Vespa e Lambretta, comemorando o segundo ano da Scooteria Paulista. Quando chegamos na Adega Soberana, estacionamos nossas motonetas e começamos a curtir a tarde entre amigos. Foram muitas conversas, risadas, como se todos ali fossemos da mesma família. E de fato somos. Depois do almoço, o Fidelis, presidente da Scooteria Paulista, homenageou os scooteristas com certificados de performance e com troféus, o que deixou todos a nós muito orgulhosos de fazermos parte desse grupo.

Como para nós, que saímos de Santos, já estava ficando tarde para voltar, resolvemos partir antes mesmo de todos partirem. Nós saímos acompanhados de mais dois scooteristas de São Paulo. E ainda em São José dos Campos, uma surpresa: havia muita gente na beira de uma rua, ou pista, que estávamos. Mas nós não sabíamos porque, até que eu olhei para o lado, mais especificamente para a pista da base aérea de São José dos Campos. E o que eu vejo? Sete aviões, em formação, ainda na pista, decolando. Mais precisamente, dez Super Tucanos azuis, com as inconfundíveis faixas verde com branco nas laterais e amarelo nas asas. Era a Esquadrilha da Fumaça! Eles decolaram e sumiram, então seguimos em frente. Mas logo depois avisei eles, bem longe, em formação, retornando para o espaço aéreo sobre a pista. Paramos novamente para assistir a primeira manobra e assim que a executaram retomamos nosso caminho. 

A princípio, retornaríamos por Mogi, mas como já estava escurecendo resolvemos voltar por São Paulo. Já na Capital, nos perdemos de leve e pegamos um pouco de trânsito, o que acabou alongando nossa viagem de volta para casa em pouco mais de uma hora, mas no fim deu tudo certo e logo estávamos na Imigrantes, descendo para Santos. Cansados, felizes e ansiosos pelo próximo passeio". (Gustavo Delacorte, Santos - SP)

5 comentários:

Leo_Dueñas disse...

É praticamente uma ressurreição do movimento scooterista paulista de décadas atrás. Só faltam agora as corridas, pois de resto, o movimento é contínuo, vivo e forte. Tomou corpo e agora não para mais.

Meus parabéns a todos os participantes, guerreiros que não amarelam para estrada!

Abraço,
Leo

Gustavo disse...

E as corridas já estão "andando". O pessoal de Campinas fez um treino livro num kartódromo de Paulína, então a coisa tá bem próxima de ser tornar realidade constante!

Scooteria Paulista disse...

FOTOS 1, 5 E 6 E 7 DE KARLA JALES.
FOTO 2 DE DANIEL TURIANI.
FOTO 3 DE ROSE MOREIRA.
FOTO 4 E 8 DO LUCA PERUCCHI (é Perucchi).
VÍDEO DO GUSTAVO DELACORTE.

Anônimo disse...

Dá vontade de ter ido!!!!

Anônimo disse...

In fidelity, we trust!