Últimas Imagens

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

DIA DEL SCOOTER CLASICO #3 (Buenos Aires)

Sunday Morning. O maior encontro de scooters clássicas da América do Sul reuniu no domingo de 11 de Dezembro cerca de 200 motonetas em seu total. A Scooteria Paulista - representada por Fabio Much e Marcio Fidelis - foi recebida com muita cordialidade pelos grupos sul-americanos, sobretudo pelos organizadores, a RVA (Red de Vespistas Argentinos).





A maioria dos scooteristas de outras cidades e países ficaram, ficamos, hospedados no alojamento da Gendarmeria (a unidade do exército local) do pequeno município de Morón - região metropolitana de Buenos Aires. O local é um dos serviços/atividades que fazem parte do grande Clube Sitas, a Sociedad Italiana de Tiro a Blanco (Tiro ao Alvo). Isso até que proporcionou um caráter militar ao evento. Scooterismo como guerrilha?! Só os fortes sobrevivem... o que dirá os nossos veteranos...rs. Quartos com bicamas emparelhadas, banheiro coletivo, banho coletivo, refeições em espaços públicos, horários da RVA obedecidos com precisão etc. Aos poucos todos acordavam e corriam para garantir a sua privada. Era 9h e ao atravessar o campado com o Fabio Much à caminho dos chuveiros encontramos uma turma bebendo um mate quente e proseando. Hábitos de um povo fraterno. Também conheci outro brasileiro, o gremista Renato, e a sua esposa, que vieram de Porto Alegre (RS) numa PX200 para um encontro em Quilmes (ARG) e aproveitaram a data para prestigiarem esse evento na capital. Nada como ver a bandeira do Brasil por aqui. O nosso amigo Fabio Much pilotava uma Originale 150 emprestada pelo amigo português Joaquin da Fonseca - diretor da RVA e um dos pontas de lança do evento. Fabio chegara na sexta a noite, e aproveitara todos os atos de aquecimento do evento. Foi muito bem acolhido e até hoje, quarta-feira, ainda falam muito dele por aqui. Que possamos um dia retribuir à altura todo esse carinho dispensado por essa grande família scooterista sul-americana. Família que agora é nossa também. Quatro países numa praça. Uma festa popular criada na Argentina e que se chama Dia Del Scooter Clasico.



San Corradino
Reuniram-se no Parque Irigoyen (bairro de San Martin, Buenos Aires) cerca de 150 motonetas ou mais. Outras se agregariam ao grande grupo durante o passeio. Somavam-se argentinos, uruguaios, chilenos, brasileiros e paraguaios. A maioria saíra de casa pilotando até o encontro. Uma parte trouxeram-nas rebocadas e colocaram-nas para rodar na bela capital federal. Alguns emprestaram de amigos, e houve os que tomaram um avião/ônibus e pularam em alguma garupa para não perderem a boquinha. Conversei com muitos entusiastas da classe. Trocamos souvenires e vendi uma quantidade considerável de cartões-postais da viagem "In Vespa Fidelis". Me tocou o coração quando um scooterista pediu-me para tirar uma foto com seu filho. O mesmo ocorreu com os marmanjos e garotas. Scooteristas bem-resolvidos que faziam questão de demonstrar o afeto e o valor que a minha aventura proporcionara para a imaginação deles.


Parque Irigoyen (Buenos Aires)

Rumi Formichino 125 (1959)
Motonetas de diversos modelos faziam frente ali. Em meio à correria toda pude notar os seguintes modelos presentes: Lambrettas Standard D, Siambrettas LD, Siambretta AV 175, Lambrettas LI, Lambrettas GP, Siambrettas TV (Série 2), Vespas GS 150, Vespas VB1, Vespas PX150, Vespas Super 150, Vespa Excel 150, Vespas Super Sprint, Vespas PX 150, Vespas PX 200, Vespas Primavera 150, Vespas GTS 250, Vespas T5 150, Vespas Originale 150, Vespas P200E, scooter Bajaj Classic 150, a nova Star 4 da LML e a encantadora relíquia Rumi Formichino, uma "pintura de Salvador Dali". Cenas de tirar o casco. Cada motoneta mais bela e expressiva do que a outra. Clássicos para todos os gostos: original, recortada, adesivada, hot rod, rat rod, inglesa, suja, polida, acidentada, recriada etc... Destaque também para o pequeno comércio temático. Pessoas que trouxeram livros, camisetas, souvenires e utilidades das marcas Vespa e Lambretta. A loja virtual Vespa Bags também estava lá, com mochilas, bolsas e objetos decorativos da marca, além de outros souvenires.

TROFÉU DSC #3

A exposição das scooters na praça chegaria ao seu apogeu ao meio-dia com a entrega dos troféus aos destaques das categorias mais expressivas para a RVA. E os premiados desse ano foram (com informações que tenho em mãos até o momento):

Fidelis (SP): "Scooterista Más Lejano"
SCOOTER DE OTRA MARCA <--
Rumi Formichino 125 ano 1959

SCOOTER DEL DSC#3 <--
Diego Gomez, Siambretta AV175

GRUPO MÁS NUMEROSO <--
Los Antiguos Vespa Club Uruguay (com 21 membros)

MEJOR LAMBRETTA CLASICA <--
Lambretta 150 ano 1967

MEJOS VESPA CLASICA <--
Vespa GS 150 ano 1961

SCOOTER MAS DETERIORADO <--
Siambretta AV 175, do Sum


SCOOTERISTA MÁS LEJANO <--
Marcio Fidelis, da Scooteria Paulista, São Paulo, Brasil - Vespa Originale 150, 2700kms SP-BA)


MEJOR LAMBRETTA/SIAMBRETTA CUSTOM: <--
Eduardo, de Caseros, Argentina (com o seu Triciclo Siambretta 125 ano 1962)



MEJOR VESPA CUSTOM <--
Cristian Fiorentino, de Quilmes (com Vespa Originale 150)


Os premiados do DSC#3

O PASSEIO DSC #3

Fabio Much no DSC#3
Por volta das 13h todos ligamos os motorinos, e num gigantesco comboio tomamos de assalto as avenidas de Buenos Aires. Uma imensa alegria, uma procissão religiosa, uma revolução sindical. Eventos dessa natureza faz cair por terra as velhas relações de poder e competição na classe. Era hora! Passamos por monumentos históricos da cidade. Exímios pilotos que durante esse trajeto de 15 kms demonstraram segurança e intimidade com a sua máquina: sem incidentes, e sem baixas. Todos os motores funcionaram do começo ao fim. Alguns se perderam do comboio - eu fui um deles -, mas com um pouco de senso de direção não foi difícil encontrar o ponto por onde passariam. A equipe RVA se dividia pelas ruas, bloqueando esquinas e abrindo faróis fechados para que o comboio evitasse paradas e dispersões. São 9 anos de idade, paixão e união por uma causa nobre.







Todos saíram, todos chegaram! Os garupas se contorciam para conseguir a melhor foto. Os pilotos se dividiam entre olhar para a pista e para as motos. Os motoristas que passavam por pouco não batiam. Os pedestres se desesperavam. Crianças se perdiam dos seus pais em meio ao caos. Homens de negócio se jogavam das sacadas dos edifícios de luxo, arrependidos por terem um dia vendido a sua motoneta. Uma nuvem de fumaça na terra se instalou, e o cheiro de 2T parecia anunciar o fim do mundo. O Obelisco de Buenos Aires foi ao chão, a Casa Rosada ficou preta, atrás de nós uma fenda no chão se abria, e os barcos fugiram às pressas quando chegamos no porto. Finalmente, quando desligamos os motores, o mundo ainda estava lá, e os anjos que voavam na fumaça anunciariam os próximos mil anos de reinado da Piaggio sobre a Terra. 


Marcio Fidelis,
de Buenos Aires, Argentina, em 15 de dezembro de 2011.
Fotos: Melina Petta, Jorge Pedroli, Rodrigo Reyes, Marcio Fidelis e Solle Rodriguez.

8 comentários:

D. disse...

Que belíssima festa!!!! Parabéns! Quando voltarás à Terra Brasilis?

Fernando Ceolin disse...

S.E.N.S.A.C.I.O.N.A.L ! Fidelis, meus sinceros parabéns por mais essa conquista. O que você faz pelas motonetas realmente é de tirar o chapéu. Acompanhei pelo blog todas as etapas e ficava ansioso até você postar a próxima etapa. Você é um guerreiro 2T. Parabéns a todos vcs da Scooteria Paulista.

Diego Perez de Gracia disse...

Excelente relato Marcio!! Ha sido un gusto contar con Tu presencia en Buenos Aires. Espero Te hayas sentido como en Tu casa. Te deseo un buen regreso a casa, mantengase en contacto.
Un fuerte abrazo, Compañero!

Anônimo disse...

e ai marcio blza?venha numa boa curtindo as paisagens queremos ver muitas fotos das regiões que voce passar,contamos com voce nesse fim de ano para o nosso giro vespal pelo vale do paraiba.

abços,carlos guerreiro

Luis Lopes disse...

Muitos parabéns desde Portugal pelo teu objectivo cumprido! Como vai ser o regresso!?

Luciano-(Purê) disse...

Fidelis tu me fez chorar...Parabens cara ..voce merece ser apaludido de pé uns 30 dias seguidos ou mais..Parabens!-Pure!!!!

Anônimo disse...

A sensação de uma missão tão dificil sendo cumprida, deve ser maravilhosa...
Parabéns Márcio!!

Wolney

Anônimo disse...

Parabéns caro Márcio, grande aventura,vou compor uma ópera rock para o Continental Combo (e você vai ser o protagonista) rsrsrs, feliz natal e um 2012 com muita saúde, paz, estradas e grandes canções.
abraços
Sandro