Últimas Imagens

sexta-feira, 30 de setembro de 2011

A LD do ABC


O vídeo acima é uma compilação de filmagens amadoras dos anos 50 e 70 feitas em Santo André. Recomendo essa viagem pelo tempo, e destaco aí dois segundos em que aparece uma Lambretta LD estacionada, nos 1min.37seg. do vídeo. Santo André tem 458 anos e seu lema oficial é "Paulistarum Terra Mater".

terça-feira, 20 de setembro de 2011

Um Dia de Lambretta #2


Essa foto é outra cortesia do meu camarada Adriano (o VJ Ninguém). Sobre a Lambretta LD o Adriano conta o que ouviu: "essa lambreta apareceu por lá nesse dia apenas, com meu tio avô, depois ele nunca mais levou". A foto é do final dos anos 50 feita no Jardim Previdência, zona oeste de São Paulo. Sobre o sujeito estranho, vale contar: "Este homem esteve na primeira guerra. Diziam que ele era seco, duro e malvado. Eu entendo."

domingo, 18 de setembro de 2011

Um Dia de Lambretta

Essa foto é uma cortesia do meu camarada Adriano (o VJ Ninguém). Na foto está o seu avô Edmundo (numa Lambretta LD), que vive hoje os seus 85 anos de idade. A imagem se passa no bairro Previdência, em São Paulo no final dos anos 50, e conta o Adriano: "essa lambreta apareceu por lá nesse dia apenas, com meu tio avô, depois ele nunca mais levou".

domingo, 11 de setembro de 2011

SPRINT 77: Rock Nacional Para Andar de Vespa


"Eu não vou parar, eu não vou voltar
Eu só vou parar se minha Vespa desmanchar no ar"

O Sprint 77 fazia barulho e fazia fumaça. Esse foi um projeto feito por scooteristas e que ergueu a bandeira. As primeiras canções surgiram no início de 2008 e meses depois elas chegaram aos palcos de São Paulo, Itatiba, Campinas e Valinhos. O trio era formado por Nei na guitarra, Ado no baixo e eu, Fidelis, na bateria. Essa era uma banda essencialmente Mod, com influências de Jovem Guarda, Garage-Punk, Soul Music e Oi. E basicamente cantávamos sobre a nossa paixão por São Paulo e pelas motonetas. Naquela ocasião, aonde havia um show da gente o que não faltavam eram as Vespas na porta. Foram os tempos do I São Anivespaulo e d'Os Tralhas Scooter Clube. E foram bons! O Sprint 77 acabou de repente no final de 2009 e deixou a muitos inspirados com canções marcantes como Eu Vou de Vespa (Ou de Lambretta), James Brown, São Paulo, Tião e Sua Lambretta, Zóide Attack, dentre outras. E finalmente algumas dessas canções estão disponíveis na internet. Gravadas ao vivo no Estúdio Quadrophenia (São Paulo) no final de 2009, e a quem possa interessar, clique no link abaixo e ouça os temas feitos para pilotar:


"Pode fazer frio, chover ou nevar, esfumaçando vou poluindo o ar
Vou de Lambretta ou de M3, de PX200 oitenta e seis"
(Poluindo o Ar)
*
"Se quebrar a minha Vespa eu levo ela no Tião
Mas de Calhambeque eu não ando não
Não sou o Roberto para andar de carango
Nas perigosas curvas das estradas de Santos"
(Poluindo o Ar)
*
Pessoas se confundem não sabem onde estão
Pessoas vão e vem entre a multidão
Garotas bem vestidas tentam fugir do mal tempo
Os garotos descalços passeiam pelo Centro"
(Tudo Muda Num Segundo)
*
"Sigo só deixando um rastro de fumaça no ar
Pelas ruas de São Paulo, aqui é o meu lugar!"
(São Paulo)


quarta-feira, 7 de setembro de 2011

A Lambretta de Esmaga Sapo



Essa foto é uma cordialidade do blogueiro Nunes Cordeiro, um apaixonado pela Vila Albertina, o bairro do Esmaga Sapo (zona norte de São Paulo). Não temos a informação do ano da foto, mas a princípio me parece do início dos anos 60. E na Lambretta Standard está o Mário Cabral. Contou-nos o senhor Nunes Cordeiro: "eram pois 3 moradores aficionados por este veículo, sendo pois o Mário Cabral, Fernando, e o Valdir. Despertavam a atenção de crianças da minha geração, bem como ver a única Romizeta, que transitava com o Leonel, na Rua Vieira de Melo, pois todos paravam para ver ele entrando e saindo pela frente do veículo."

segunda-feira, 5 de setembro de 2011

Filhos da Light #3


Essa foto eu trago dos Filhos da Light, um blog voltado à preservação da memória dos trabalhadores da antiga hidrelétrica da Light, localizada no município de Votorantim (SP). Trata-se de um registro do aniversário do Billy Viveiros, que meio século depois de descer da tal Lambretta LD conta: "esta foto tirada num dia de meu aniversário, há uns 50 anos atrás, lá em nosso Vale Encantado. Eu estava todo "engomadinho", como se costumava dizer, roupa nova, cabelinho cortado "americano" e com aquele indefectível botão do colarinho sempre abotoado no gogó! De qualquer forma, como podem ver, eu já tinha a minha própria Lambretta e com ela fazia minhas viagens nacionais... e até internacionais!! Na verdade, a moto era do Nego, meu meio-irmão, que me emprestou a danada só para uma pose básica..."