Últimas Imagens

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Destino São Paulo #2 - O FIM

Nas próximas quatro horas o Emerson e eu já estaríamos em São Paulo. Uitamar pernoitaria num hotel barato de Juquiá (SP), para completar a sua viagem no dia seguinte até o seu destino. Em toda a Regis Bittencourt pagamos cerca de 4 pedágios de 0,70 centavos cada. Rodiziamos o pagamento entre os três afim de economizar tempo. Na foto abaixo o pagante era o Emerson. Em certo momento furamos uma imensa fila numa barulhenta bagunça entre os carros, escrevendo o final dessa história em linhas tortas.


Passamos por Registro (SP) e paramos por duas vezes na altura de Juquiá, a primeira para abastecer e a segunda para a despedida do Uitamar, que pegaria o seu caminho na manhã seguinte até Americana (SP), deixando uma grande saudade e as melhores lembranças de estrada que teremos para toda a vida.

Estávamos a pouco menos de três horas de São Paulo, o Emerson e eu. Dali pra frente enfrentaríamos uma viagem um pouco diferente, como que num jogo de video-game, aonde o nível de dificuldade aumenta com a evolução do jogo. Primeiro foram os buracos da região de Miracatu (SP), a região do bananal. Foram quase 70 kms desviando deles. Depois foram os caminhões de carga que dali em diante triplicava em números na pista. Sem falar na chuva. Em certa altura a ansiedade vinha ao físico, e nos instigava a esticar mais o cabo. Todavia a chuva aumentava, e em meio aos caminhões, curvas e reformas, o melhor que fazíamos era manter o que já vínhamos fazendo, sem novidades. A cada parada para gasolina o Emerson atualizava o Twitter com as últimas notícias da viagem. Por celular recebi a última mensagem de apoio e confiança; e pareça o que parecer, esse tipo de manifestação é importante para nós, demonstra valorização e estimula a gente a informá-los. Então finalmente, depois de 9 horas de viagem, de toda uma aventura sobre rodas, do primeiro grande encontro inter-estadual, chegávamos ao mesmo lugar de onde saímos, recortando a cidade de São Paulo do sul à leste. Cheguei 1 da manhã, ensopado, sujo, cansado e gratificado. Ali foi para mim o fim do Curitiba em Vespa 2010. E é isso um encontro de estradas: ele começa quando você pega a estrada, e termina quando você chega em sua casa.

Deixo novamente um grande abraço para quem diretamente esteve com a gente e valorizou a realização desse encontro: Emerson, Uitamar, Sr.Arthur, Lovercy e Alda, Marmirolli, Juan Montoya, Fabio e Confraria VMC, Curita/Marcos/Marcela, Jack/Coca/Ito, Leo Dueñas, Alucinados por Lambretta, Clube da Lambretta de Blumenau, Vesbretta, Scooter Boys e Free Willy. Agradeço também a força e a boa vibração de todos vocês que acompanharam as notícias e torceram pelos estradeiros.


Tenho esperança de que a filosofia de scooterismo da Scooteria Paulista tenha revelado um outro ponto de vista das coisas. Noto que nesse ano o conceito saiu da idéia e foi pra rua e pra estrada. Ponho fé que uma fraternidade vem crescendo, e que as barreiras de relacionamento entre nós, proprietários e pilotos, venha caindo por terra a cada peneirada. 2010 está sendo o ano em que o scooterismo brasileiro subiu de nível. Graças a todos os que fazem algo, seja pilotando, consertando, personalizando, organizando, divulgando, etc. Me vem à mente a expressão de um velho 'punk' do Do It Yourself americano chamado Tim Kerr: "O que você faz para participar?" 

E que venha o próximo grande desafio rodoviário!!!

4 comentários:

Scooteria Paulista disse...

Fotos 1 e 3 de Marcio Fidelis
Foto 2 de Emerson Mestrinelli.

Marcelo disse...

Sensacional.

Leo_Dueñas disse...

O que dizer Marcio Fidelis? Eu, que de coluna rota cheguei em Curitiba de avião, sinto-me como um penetra na festa depois de ler uma saga rodoviária como esta da Scooteria Paulista. Fica a gratificação de ter te reencontrado depois do "oi, tchau" no Páteo do Colégio e ver que a faixinha chegou em Sampa no escudo dessa Originale guerreira que só ela.

Qual o saldo para este carioca aqui? Quero ir rodando para Novo Hamburgo. O receio fica para trás com exemplos como o da Scooteria: não é uma questão de grana, não é uma questão de idade e muito menos de capacidade da Vespa. É o espírito que impele e isso vocês têm de sobra. Se Deus quiser (porque a esta altura só depende dele) me unirei ao grupo em Curitiba na ida do Rio Grande do Sul em Vespa 2011.

Abraço,
Leo

danturiani disse...

Só tenho que dar o parabéns e ficar babando! Um grande abraço!
Daniel Turiani / SP